•  
     

Gold teria sido morto por um jovem branco e outro negro, diz testemunha

Advogado de defesa diz que os 2 jovens apreendidos são negros.
RJTV teve acesso ao depoimento de testemunha e do menor de 15 anos.

A principal testemunha do crime da Lagoa diz que um jovem negro e outro branco mataram o médico Jaime Gold. Mas, de acordo com um advogado de defesa, os dois adolescentes apreendidos são negros. Na quarta-feira (27), a Polícia Civil deu o crime como encerrado. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (28) pelo RJTV.
A polícia diz que a principal testemunha do crime é um frentista. Ele trabalha em um posto de gasolina em frente ao local onde o médico Jaime Gold foi atacado no dia 19 de maio. O RJTV teve acesso ao depoimento dele feito à Divisão de Homicídios (DH), um dia após o crime.

O homem disse que um dos autores era magro e negro e que o outro era branco e também magro. Ele afirmou que os assaltantes chegaram por trás, em uma bicicleta, e que o que estava na garupa foi logo esfaqueando a vítima, que também estava de bicicleta.
Em seguida, o autor deu mais duas facadas na região abdominal do médico, que caiu. A DH deu o caso por encerrado, mas o advogado de defesa do menor de 16 anos, que foi apreendido na semana passada, estranhou a conclusão das investigações. Ele afirmou que os dois menores apreendidos são negros e voltou a dizer que o primeiro menino apreendido estava na favela de Manguinhos na hora do crime.
Na quarta-feira, a delegada da 14ª DP (Leblon), Monique Vidal, se manifestou nas redes sociais. Na noite do crime, ela esteve com a mesma testemunha e, por isso, ela estranhou a conclusão do caso.

Imagem

Depoimento do menor de 15 anos
O RJTV também teve acesso ao depoimento do menor que se entregou à polícia. O menino de 15 anos confessa participação no crime mas afirma que foi o outro adolescente que esfaqueou o médico Jaime Gold.
No depoimento à DH, o menor disse que o menino de 16 anos conduzia a bicicleta e que ele estava no quadro, virado pra Lagoa. Os dois abordaram o médico e ele pediu para a vítima sair da bicicleta. O médico, segundo ele, não desceu, levantou e foi pra cima dele. Nesse momento, o outro menor (primeiro a ser apreendido) começou a esfaquear o médico umas três vezes.
A mãe do segundo menor apreendido também prestou depoimento e disse que o filho a procurou na última segunda-feira (25) dizendo que tinha errado, que um homem tinha morrido.
Os dois meninos apreendidos estão no Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) esperando a Vara da Infância e Juventude decidir as medidas socioeducativas que eles vão cumprir. A bicicleta do médico e a faca que teria sido jogada no Rio Maracanã não foram encontradas.

Roubo com morte
O adolescente de 15 anos que confessou ter participado do assalto que terminou com a morte do médico Jaime Gold já responde por outro crime análogo ao de latrocínio (roubo seguido de morte) e outros dois atos infracionais, equivalentes a receptação e roubo. Por este último, chegou a ficar 45 dias detido, mas acabou fugiu do abrigo.